Evolução do DSM - O dicionário da saúde mental

Postado por Rui Fonte em domingo, maio 18, 2014 Em: Manuais e Dicas

O Manual Diagnóstico e Estatístico de Transtornos Mentais (Português) ou Diagnostic and Statistical Manual of Mental Disorders (Inglês) é amplamente conhecido como a bíblia da psiquiatria e psicologia. Muitas pessoas não sabem mas este livro venceu e veio a ser poderoso e influente. Aqui está um breve olhar sobre a evolução do DSM e onde estamos hoje.

A necessidade de uma classificação

As origens do DSM datam de 1840, quando o governo dos E.U.A queria coletar dados sobre a doença mental.  O termo "idiotia / insanidade" apareceu no censo daquele ano. Quarenta anos depois, o censo expandiu para caracterizar estas sete categorias: " mania , melancolia, monomania, paresia, demência, alcoolismo e epilepsia " 
Mas ainda havia uma necessidade de reunir estatísticas uniformes entre hospitais psiquiátricos.  Em 1917, o Bureau of the Census abraçou uma publicação chamada o Statistical Manual para o Uso das Instituições para a insanidade. Ele foi criado pela Comissão de Estatística da Associação Americana de Médico-Psicológica (agora a Associação Psiquiátrica Americana) e da Comissão Nacional de Higiene Mental. O manual passou por 10 edições até 1942.

DSM-I 

Publicado em 1952, o DSM-I contou com descrições de 106 doenças, que foram referidas como "reações." Esse termo se originou a partir de Adolf Meyer, que tinha uma visão psicobiológica que os transtornos mentais representavam reações da personalidade psicológica, social e biológico factores. 



DSM-II 

Em 1968, o DSM-II saiu.  Ele não era muito diferente da primeira edição. Aumentou o número de doenças para 182 e eliminou o termo "reações" porque implicava causalidade e referiu-se "neuroses" e "distúrbios psicofisiológicos". 



DSM-III 

Quando DSM-III foi publicado em 1980, houve uma grande mudança a partir de suas edições anteriores. O DSM-III deixou cair a perspectiva psicodinâmica em favor da experiência e foi expandido para 494 páginas com 265 categorias diagnosticas. O DSM-III sofreu uma actualização em 1987, ele se inclinou mais para conceitos do psiquiatra alemão Emil Kraepelin. Ele acreditava que a biologia e genética desempenhava um papel fundamental nas desordens mentais. Ele também distinguiu a "demência precoce", mais tarde renomeado de esquizofrenia por Eugen Bleuler



DSM-IV 

Em 1994 era publicado uma nova versão mas era não foi muito alterada do DSM-III. Houve um aumento do número de doenças (297) em 886 páginas, desta vez, o comité de aprovação foi mais conservador. Por exemplo, para os distúrbios serem incluídos, eles tinham que ter mais pesquisas empíricas para comprovar o diagnóstico. 
DSM-IV foi revisto uma vez, mas os distúrbios permaneceram inalterados. Somente as informações de fundo, tais como padrões de prevalência e familiares, foram atualizados para refletir a pesquisa atual.



DSM-V

2013 foi o ano da atual e quinta revisão. Houve umas alterações importantes, esta mais organizado nos capítulos, foram introduzidos vários transtornos, por exemplo relacionados ao autismo que foram agregados no transtorno do espectro autista, um transtorno relacionado ao uso de jogos pela Internet, transtorno da oscilação distributiva do humor. O DSM-V tem pouco mais de numero de doenças comparado com o DSM-IV, subiu para mais de 300, umas com nome reformulado e outras novas que geram um criticismo entre profissionais de saúde.     

 

Resumo

Este manual não é uma Bíblia, é um guia ou uma orientação. Ao longo do tempo tem sido um manual de diagnostico entre psicólogos e psiquiatras. Tem recebido muitas criticas, principalmente o DSM-V mesmo muito antes do seu lançamento, principalmente por ser demasiadamente abrangente e transformar comportamentos em doenças até então tidos como normais. Além disso, com as novas mudanças no DSM-V, especula-se que a elaboração dos critérios de diagnóstico tenham sofrido influência da indústria farmacêutica.

A minha opinião...

Fica para outro artigo ;) 

Em: Manuais e Dicas 


Tags: dsm  manual  doenças psiquiátricas   
    
   
 
  
   
  
   
   
  
   
      
  
   
   
  
   
    

Sobre Mim


Rui F. Sei que ter ansiedade atrasa todo o processo da vida e pelo que dedico muitas horas para levar até si tudo o que possa ajudar a compreender esta doença. Foi uma forma que encontrei para tornar útil a minha ansiedade.
  

Outros Projetos Pessoais

Fique a Saber

Práticas Alternativas


Informação e ajuda à ansiedade, depressão e ataques de pânico
Information and help with anxiety, depression and panic Attacks
Información y ayuda con ataques de ansiedad, depresión y pánico
L'information et aider avec des d'anxiété, dépression et la panique

Vladman.net © 2010-2017

vladman.net